6X6 Novembro

Novembro foi um mês de muito trabalho, corrido pacas mas incrível. Entre os trabalhos, estava criar, pensar, pirar e costurar para o meu primeiro Bazar OGente vou estar lá com a minha PivCat. Tô feliz! ❤ E feliz também com as minhas Blythes, um hobby que começou em setembro dando um brilho especial neste ano, me aproximando de pessoas incríveis e despertando novos aprendizados, como criar e costurar roupinhas pra bonecas. É uma delícia! Bom, chega de papo… 😀 Aqui vão pedacinhos do meu novembro de 2014 😀

Eu sempre quis desenhar. Mas com uma irmã artista de mão cheia e depois um marido ilustrador meus desenhos se deprimiam… Mas tomei coragem e coloquei como meta este novo desafio e tô adorando! Até fiz uns quadrinhos pro Bazar…

Eu sempre quis desenhar. Mas com uma irmã artista de mão cheia e depois um marido ilustrador meus desenhos se deprimiam...Mas tomei coragem e coloquei como meta esse novo desafio e tô adorando! Até fiz uns quadrinhos pro Bazar...

Vivendo e aprendendo a feltrar… Treco difícil!

Bordar também é preciso…

Bonecas fofas e ainda aprendendo a andar de patins? E isso existe? 😀

A primeira Lilitix a gente nunca esquece…  e faz um vestidinho e um chapeuzinho

pra ela ficar ainda mais fofa! Se é que é possível.

😀 😀 😀 😀 😀 😀

Anúncios

AGENDA CHEIA?

engolindosapos

“Segunda eu não posso. Tô atrapalhado. Terça e quarta nem pensar, tô lotado. Quinta eu vou  viajar, mas na sexta, na sexta eu posso. Mas só posso depois das oito. Não, pensando melhor, sábado é o dia pra mim, se bem que… O que você vai fazer domingo? Ixi, domingo é domingo, né? Como você está em novembro? ”

A vá! Me dá um like! Ninguém tem a menor cerimônia de viver sem tempo pra nada. Aliás, quanto mais ocupado você for ou parecer ser, melhor. É como se agenda cheia fosse sinônimo de sucesso e fizesse subir o seu passe.

– Você tem tentado falar com Fulano?

– Não consigo. Ele está super ocupado entrando e saindo de reuniões, viajando…

O que vem depois desta primeira pergunta sofre variações complementares como: deve estar rico, agora é ele que manda, você viu quando ele ganha? Tá. E quem realmente se importa? De verdade. Lá no fundo?

Para os ocupados, uma vida atribulada. Mas nem todos estão realmente ocupados. É que ainda tem gente que acredita que ser inacessível é sinal de status e um tapa na cara de quem ele julga ser um desocupado. Plaft! Pra mim, quem pensa assim está no calcanhar da escala evolutiva. Mas não vamos falar disso, embora eu precisasse falar pra poder chegar no íntimo da minha Agenda de Emoções. Calma, eu exemplifico:

“Hoje eu não posso. Estou com medo. Terça e quarta nem pensar, tô tão triste… Quinta eu vou ficar o dia todo em casa chorando de raiva, mas na sexta, na sexta eu posso. Mas só posso depois que meu rosto desinchar. Não posso sair por aí com cara de alcachofra… Sábado e domingo estarei feliz demais para encontrar você. Que tal a gente marcar uma data bem distante? Assim a gente finge que vai se encontrar…”

Pena que dizer o que estamos sentindo não valorize também o nosso passe. Aliás, pelo contrário.

– Desculpe, eu não posso participar da reunião de hoje senão vou voar no seu pescoço.

Não dá falar isso, né? Quer dizer, até dá. Mas é preciso ter coragem pra falar e o dobro da coragem para arcar com as consequências. E de repente a gente vai engolindo os sapos e junto com eles as emoções. A terça triste, a quarta ansiosa, a quinta medrosa, a sexta pouco esperançosa, o sábado tenso, o domingo intenso… Engole, engole e joga pra segunda, mas segunda é um dia cheio e daí a raiva fica pra terça. Ahhh tá! Mas não fica mesmo. E dá-lhe somatizar.

Por isso, implantei na minha vida o método de emoções Tabajara… Brincadeirinha! O título não é esse, mas é um método de aprendizagem. É que estou aprendendo a viver respeitando minhas emoções. Eu disse vivendo e não vivendo perigosamente. Não poderia me guiar cem por cento por minhas emoções, certamente boa parte delas me jogaria de alguma ponte e eu não tô podendo encarar uma reencarnação de culpas e tragédias. Vamos ver se podemos resolver parte disso tudo numa vida só. Nessa, de preferência.

Minha agenda funciona assim: ao detectar a emoção do dia eu a transformo em uma espécie de trilha sonora. Passo o tempo que for preciso com ela, sem miguelagens. Nós duas e um dia inteiro pra viver e se entender. Tem sido libertador e me ajudado pacas na construção de dias seguintes genuinamente felizes.

Momento Sentimentalistas Anônimos: Eu sei o que estou sentindo hoje. E você?

6X6

Que venha, Julho!

“PAI E MÃE. OURO DE MINA…”  Saudades. Tanta! Mas tanta.

paiemae

MORRO DE AMORES!

milanesameuamor

NA MINHA JANELA…

matriosquinha

LARANJICE!  Da série “Frederico, Seu Lindo”…

fre

O DIABO VESTE VERDE. “Acabemu cum ele”…

diaboverde1

VÍCIO SAGRADO. Jogatina em família. Uma boa desculpa pra estar sempre perto.

carteado

Cadê Meu Pacote?

Imagem

Pluralizando minha angústia, onde estarão meus pacotes? Sim. Porque um foi e o outro simplesmente não chegou. Onde andarão? Como estarão? Quanto custarão? A encomenda lá perdida e eu … (pausa pra rima pobre) Nem sei o que é pior, se é esperar por um pacote que não vem nunca ou enviar um pacote que nunca chega. É como ter que escolher entre a cruz e a espada.

 De lá pra cá

Será que vai chegar esse ano ou em 2025? É meu dilema pergunta antes de clicar em finalizar quando o pedido é internacional. Haja imposto, haja dólar, haja expectativa. Se a encomenda vier do outro lado do continente então… É preciso estar com o eletrocardiograma em dia. Meu status? Aguardando há quatro meses uma encomenda. (se sentindo fula da vida) – seguro mais uma vez a pobre rima pobre. Dessa vez quase que me escapa.

De cá pra lá

E enquanto encaro a senha 319 para postar uma encomenda, vou vibrando e desejando que ela chegue bonitinha a seu destinatário. É tudo que eu peço. E por garantia, me asseguro e taco o seguro.

–   Por que demora tanto? Será que vai chegar em tempo? – pergunta a paciente cliente.

–   Gostaria de poder responder. Com eu gostaria! – respondo sem resposta.

Mas esperar o que será meu é prejuízo lado de cá. Eu me viro, falo em terapia, xingo, exorcizo comendo um Charge, dois… O problema é quando a encomenda vai. Explicar que ela já foi e que de nossa parte foi em tempo, passar o número de rastreio e mais noventa e sete vezes no site dos Correios pra digitar o tal número e sossegar apenas quando a cliente disser “chegou”. Mesmo que esse chegou não seja seguido de mais nada, nem de um boa noite. A culpa da demora não é nossa, mas mesmo sem querer vai pro nosso pacote. E por falar em pacote…

–   Deu trinta e cinco reais – diz a moça pesando minha caixinha.

–   Dá pra pesar minha preocupação?

Não, esquece! Melhor não pesar senão vou ter que vender o carro parado ali no estacionamento do outro lado da rua que já começa com a bandeirada de 12 paus. Soma o seguro e me segura, por favor… Cara, você já tentou estacionar na porta de um posto dos Correios? Em percentuais, acho que deve ser mais fácil ganhar sozinha na Mega da Virada. Certeza que é. Tá somando? Pacote + Estacionamento + Seguro…

Fora a preocupação que não tem preço. É porque a gente despacha a encomenda pra Minas sabendo que ela pode chegar no Acre ou com sorte em Goiás, que pelo menos faz fronteira com o destino de origem. Ok! Ok! Ok! Nem sempre é assim. Tem encomenda que a gente mal posta e já chega. Mas existe um Triângulo das Bermudas de Caixas Perdidas que a cada envio eu torço para não cair nem ser jogada. A gente vai aprendendo a lidar com isso, mas não devia ser assim. A gente devia poder relaxar a cada envio, pegar o carro de volta pra casa escutando Dentro do Coração do Rádio Taxi e pensando tranquilamente no que fazer pro jantar e claro, para a sobremesa 😀

E aí, qual o seus status?

 

 (texto escrito para o site Superziper)

6X6 3.0

6 de junho, chove em São Paulo, tem greve de metro, jogo do Brasil…

… E  aqui vão minhas fotos do mês procês do grupo seis por seis.

  1.  Divinos, pra proteger e colorir minha casa.
  2. Porque o dia dos namorados vem aí 😀
  3. Bordadinho do mês. Como eu queria poder bordar mais…
  4. Louca por linhas e tecidos vintage.
  5. Para os dias frios, casaco e abrigo de gata: – Mãe, faz cafuné?
  6. Eu de papel. Tentativas e testes para um novo projeto.

Divino Maravilhoso

6_3e

6_3b

6_3d

Processed with Rookie

6_3c

Feliz mês de junho pra todos (as) participantes do grupo e também pra quem passa por aqui só pra dar uma olhadinha!

 

 

ÓGente! Quanta gente fofa.

Hoje fui passear no Bazar OGente de dia das mães. Programa delícia pra fazer com calma e curtir. Tanta coisa linda pra ver. Minha nossa! Nem vi tudo. Só o lugar já é inspirador. Perambulei pelos corredores coloridos e cheio de coisas lindas, oficinas, amigas. Pena que nem todas estavam lá.

Mas deu pra abraçar a querida Lu Cotinha e comprar seus tapetinhos mágicos, levar uns tesouros no armarinho vintage das meninas do Super Ziper, passar um tempo com a Simone e suas lindezas da Sia de Arte, comprar fitas adesivas na Móbiles, levar uma caixa cheia de brigadeiros da Ana Cravo e ainda ver as joias lindas da Vivan K, as estampas e produtos do fofíssimo Cuttin’Studio, da Tupã, dar um abraço na querida Patrícia Toyama que também faz coisas lindas e apreciar mais uma boa dúzia de belezuras.

Amanhã tem a Paty Mimmos, Ana Sinhana, Flô di Pá e seus produtos fofos e lindos e coloridos. Ai, como eu queria ir amanhã…Mas você pode ir. Dá tempo e tem um montão de coisas e pessoas muuuito legais por lá. Divirta-se. Eu, me diverti!