Mês: abril 2015

ORGANIZAR É PRECISO!

Não lembro de ser bagunceira. Tive bons exemplos em casa e se tem uma coisa que me irrita nessa vida é procurar algo e não encontrar.  Gosto de manter as coisas arrumadas, bem arrumadinhas. Vez ou outra eu até faço uma certa bagunça,  mas na sequencia arrumo tudo e mais um pouco. Não vou dormir enquanto tiver um fio de linha no chão, ou uma linha fora do tom na caixa. O ritual da costura pra mim tem começo, meio e fim e o fim termina com meu ateliê arrumado e pronto para um novo dia. Mesmo que este novo dia deixe tudo bagunçado mais um vez. Não tem problema, eu arrumo de novo.

E entre uma costura e outra, tenho meus dias de organização. Em um dia os tecidos, em outros retalhos, botões, fios, linhas, fitas, rendas, galões, peças começadas e nunca terminadas (quem não?), elásticos, moldes, livros …Estou sempre tentando encontrar novas maneiras de manter tudo organizado e de forma prática. Com gatos as coisas práticas estão praticamente descartadas. Eles atacam tudo, nada escapa do bote mortal da minha quadra de mini linces quase domesticados. Eles não podem ver um fio balançar, imagina se seria possível pendurar fitas ou montar prateleiras com potes de botões. Nem pensar. Aqui em casa nada disso pode.

Tem um tempo que não faço compras internacionais e não viajo nem dentro e nem fora da internet. Com esse dólar quem aguenta? Mas confesso estar morta de saudades de comprar rendinhas, galões, botões… Tecidos nem me fale. Sofro! Mas eu tenho o suficiente pra encarar umas duas encarnações. E por falar em encarnação, de repente me pego pensando na novela das sete que chama Alto Astral e a das seis que chama Sete Vidas. Se a das sete chamasse Sete Vidas ia ser mais fácil, não? Aaaa! Sei lá, pirei.

E toda vez que eu estou no meio da costura lembro de “algo” que ficaria lindo naquela peça, um detalhe que faria toda a diferença se estivesse ali. E eu sei exatamente o que eu quero, sei exatamente o que é e não coincidentemente tenho exatamente o que eu preciso… Só falta saber onde exatamente aquele algo está.

– Mas estava aqui. Eu tenho certeza! – reclamo enquanto reviro tudo ao meu redor.

E eu sempre guardei minhas rendinhas e galões prediletos em saquinhos de plástico. Mas nem sempre a gente guarda super bem dobradinho e daí o branco some entre o vermelho e o verde. Também já tentei separar por cor, mas deu menos certo ainda. E então resolvi tirar tudo de dentro dos saquinhos e caixinhas e deixa-los dispostos de forma prática e harmoniosa. Cortei pedaços generosos e enrolei em placas de papel. Placas fofas de papel 😀 No final, pra prender, um pedaço de washi ou um alfinete.

Sim, eu passei horas, horas, horas e horas separando, desenrolando e enrolando rendinhas e galões… E cada uma que eu pegava eu lembrava da sua história. Tão legal! Umas compradas viajando por aí (de corpo presente) e outras por aqui e pelo mundo (num clique da internet). E cada renda que eu enrolava me parabenizava pela aquisição.

– Parabéns, Marcela! Excelente negócio. Pena que você nunca vai ter coragem de usar. – reclamava em voz alta.

É porque tem isso. Tem coisa que dá uma dó de usar. Exercício para o desapego.

Trabalho terminado, gatos acordados, foi só guardar no armário fechado. O resultado ficou legal, fofo e prático. Se você se animar vai curtir também. Eu fiz, testei e pra mim deu super certo.

Anúncios

BABA BABY!

E desde o dia que elas chegaram eu só quero saber de fazer coisas com elas, as Santinhas 😀 … E eu ainda não tinha feito nada com as margaridinhas da coleção, além de usá-las do outro lado das Santinhas bonecas e almofadas. Daí fui caçar nos meus livros, sim eu tenho muitos livros e revistas japas e adoro passar um tempo com eles sonhando com as coisas que ainda quero fazer um dia. A gente tem sempre tanta coisa pra aprender… E foi na página 11 de um dos meus livros que encontrei uma fofa inspiração: um babador fofo demais da conta!

E ELE FICOU ASSIM…

Quando peguei as três estampas de margaridinhas, achei que seria legal cortar em tiras e costurar e depois cortar de novo e depois costurar mais uma vez e outra… E fui fazendo até achar que ficaria legal.

CORTA, COSTURA, CORTA…

E depois de costurar tudo de novo, cortar a peça seguindo o molde e colocar as fitinhas…  Era hora de escolher o bolso e o forro. Para o forro eu usei um algodão bem macio e para o bolsinho, uma renda linda que comprei num dos meus passeios pela internet do mundo (na época em que o dólar ainda era possível).

O BOLSO!

Costurei o bolso à mão porque achei que ia ficar mais fofo seguir o desenho da renda. Fiz ponto caseado.

MOMENTO FORRO E FITINHAS

Costurei, cortei e virei a peça. Cortei usando minha super tesoura de picote. Ela é pesadona, mas funciona. Eu sempre tomo cuidado para não estragar tudo com ela… Perigo!

E depois de virar, cortar e passar faltava só o fecho de pressão 😀

E A SANTINHA!

Costurei uma Santinha para deixar o babador ainda mais fofo e protegido! Faltava só cortar um pedaço de fita e fazer um bordadinho bem fofo. Escolhi um pontinho de coração e zigzag da minha máquina que eu adoro. ❤

BABA17

Pronto! Agora era só fazer as fotos.

baba13 baba12

baba18Espero que meu babador possa inspirar você! E que suas costuras sejam macias, floridas e coloridas como as margaridinhas desta coleção. 🙂

PROJETO 6X6 MARÇO

E as águas de março fecharam mais um verão…

… Hoje aqui em São Paulo dá quase pra usar cachecol. Quase peguei um.

E em março eu….

Coleção Santinhas

… Lancei a minha coleção de tecidos das Santinhas 😀

Costurei bonequices…

biscoitinhos

Fiz muuuuuuitos biscoitinhos…

picoleTomei esse picolé de Ovomaltine!

Arrumei meus caderninhos de recorte….

E tomei muita sopa de beterraba! Hum!!!

E que venha Maio.

Abraços para as amigas e amigos de 6X6.